1.12.10

Deixa nevar...





(...)

Fui ver. A neve caía
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria…
Há quanto tempo a não via!
E que saudades, Deus meu!
(...)

Augusto Gil